Meu perfil
BRASIL, Sul, Homem



Arquivos

Categorias
Todas as mensagens
 Poemas e Mensagens do Autor
 Mensagens Devocionais

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Floresça Onde Está Plantado
 


 
 

Poema Mr. Deeds

 

"Difícil respirar, sinto-me subindo
Tão cheio de amor, o coração explodindo
Boca seca, mãos tremendo
O meu coração a você estou cedendo
Agindo estranho, não sou mais eu
Danço por aí como um elfo plebeu
Finalmente chegou a hora desse bobão
Sentir o que é amor de verdade no coração!"

 



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h21
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

Explicação do poema O Bolo

Explicação do poema O Bolo

 

 

- Eu sou eu, ou qualquer pessoa que se identifique na poesia.

- O bolo são os projetos, sonhos e vontades da vida sejam nossos ou de Deus para nós.

- A mãe é Deus através do Espírito Santo.

 

Desejamos como qualquer individuo realizar nossos projetos, sonhos e vontades, no entanto, na maioria das vezes queremos fazê-los do nosso jeito, sem depender do Espírito Santo. Acreditamos que estamos certos e até cremos que é a vontade de Deus para nós (Nós fazendo o bolo).

Deus, que sempre quer o melhor para nós, procura nos cutucar através do Espírito Santo para que não venhamos fazer algo que prejudique à nós mesmos ou às pessoas a nossa volta (A mãe querendo ajudar).

Em muitas ocasiões temos vontades e intenções boas (que até são de Deus), mas exigimos que nossos sonhos se concretizem logo, o mais rápido possível e, sem saber, antes do tempo de Deus. Entretanto, no fim das contas, sentimos o sabor amargo do resultado de nossos esforços pessoais fora daquilo que Deus espera de nós (O bolo feito às pressas).

Por outro lado, dizemos: “é Deus que faz a obra. Eu vou ‘esperar’ nEle...” Diante disso, relaxamos deixando de executar  a nossa parte, naquilo que Deus já nos capacitou e espera de nós, que é cooperar com a vontade dEle (O bolo que assa de mais).

Por fim, percebe-se o nosso dever de permitir que o Espírito Santo esteja sempre ao nosso lado nos orientando e mostrando o que fazer seja no tempo e na maneira certa.

 

 

É Deus que nos dá vida para realizar aquilo que Ele tem para nós.

Vou procurar cooperar com Deus para não atrapalhar no bolo que Ele tem para mim.



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h15
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

O Bolo

 

O BOLO

 

 

Decidi um dia o bolo fazer,

Mesmo a receita eu pouco entender.

 

Enfim, comecei motivado

Sem ver, que nem um apaixonado.

Estava muito entusiasmado,

E isso era mau por um lado.

 

Minha mãe ofereceu acompanhamento,

E eu recusei no mesmo momento.

 

Me via “feliz” e determinado,

Mas também cego e atordoado.

 

Meti a mão na massa.

Liguei o forno e disse: “Assa!”

 

Minha mãe queria me ajudar,

E eu sempre estava a rejeitar.

 

“Meu filho espere um pouco!”

“Não quero!” Disse eu que nem um louco.

 

No fim achei que tinha terminado,

Mas o bolo saiu todo estragado.

 

Finalmente o trabalho findou,

Como também meu sonho acabou.

 

O bolo que o havia planejado

Ficou feio e mal acabado.

 

Fiz mais bolos.

Alguns tentei apressar.

Aparência bonita

Mas cru e ruim ao paladar.

 

Outros, mais tempo assei,

Mas olhando no fim vi que queimei.

 

Pedi ajuda para minha mãe.

Ela veio a me orientar.

Como eu era seu filho

Decidi então escutar.

 

Um bolo bonito saiu

E finalmente a ficha caiu.

 

A mãe que tinha intenção de auxiliar.

Achava eu que ela só ia atrapalhar.

 

Concluindo disse assim,

Agora sabendo que é o melhor pra mim:

 

Nos bolos da vida que iria fazer

Decidi daqui pra frente d’ela depender.


 



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h14
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

A Misericórdia do Senhor



Categoria: Mensagens Devocionais
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h08
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

A Misericórdia do Senhor

A Misericórdia do Senhor

“Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.” (Romanos 4:4)

 

Existem muitas coisas na vida que não compreendemos. Há outras que aceitamos por existirem provas em documentos históricos e em fatos comprovados mediante pesquisas. Que Jesus Cristo viveu neste mundo é fato comprovado. Que Ele morreu e ressuscitou também é comprovado pela Bíblia, a Palavra de Deus. Eu lhe pergunto: você compreendeu tudo aquilo que aconteceu com Jesus Cristo e por que aconteceu? Ele nasceu de uma virgem, viveu trinta e três anos, ensinou um grupo de discípulos, foi crucificado, morreu, ao terceiro dia ressuscitou e depois foi elevado ao céu. Tudo isso são fatos comprovados. Você compreendeu a razão de tudo isto? Se você ainda não compreendeu tudo o que se passou com Jesus Cristo e o que Ele fez, digo-lhe o seguinte: tudo isto aconteceu por amor e misericórdia a você! O que é misericórdia? É um favor não merecido, dado ou recebido por alguém. Alguém condenado à morte por causa de seus atos maus e que não foi executado recebe misericórdia de quem o condenou. Todos comparecerão diante dEle e serão julgados por Ele. Sobre todos nós está a condenação da separação eterna de Deus por causa dos nossos pecados. Deus, sendo rico em misericórdia, providenciou o escape desta condenação. Jesus Cristo morreu em nosso lugar! Uma pessoa condenada à morte, que tem uma chance de se livrar dessa condenação, deveria aceitá-la, ou não? Você aceita o perdão e o livramento de Jesus Cristo para você, ou não? Apenas crendo nEle e recebendo-o como Salvador e Senhor de sua vida você será livre da condenação e terá vida eterna. Jesus Cristo já pagou o preço do seu livramento! Você compreendeu isto e aceita este grande amor de Deus por você, ou vai rejeitá-lo? (Hans Kellert, Valinhos – SP) 1

Compreenda e aceite – Jesus Cristo é o único escape do pecado e da separação eterna de Deus!

 

Durante as guerras napoleônicas um jovem soldado francês, cansado da batalha, pegou no sono enquanto estava no posto de vigia. Foi levado à corte marcial, julgado e sentenciado à morte. Sua mãe, desolada, conseguiu de alguma forma uma audiência com o próprio Napoleão. Caindo aos pés do imperador, ela implorou que poupasse a vida do seu filho, explicando que era o seu único filho e o seu único meio de sustento. Napoleão começava a se cansar das petições dela.

“Madame, seu filho não merece misericórdia. Merece morrer.” Disse ele friamente. Ao que a mãe imediatamente respondeu:

“É claro que o senhor tem razão. É por isso que lhe estou pedindo que mostre misericórdia para com ele. Se ele a merecesse, não seria misericórdia.” Napoleão ficou tão tocado pela lógica da afirmação da mulher que perdoou o soldado. 2

 

Não existe coisa alguma em nós que nos faça tornar merecedores do grande e inestimável beneficio da graça (favor imerecido) e da misericórdia de Deus para conosco. Isto é dado gratuitamente por Deus em favor do ser humano. Basta reconhecermos a nossa incapacidade e aceitarmos o valioso sacrifício de Cristo por nossas vidas.

 

“Pois é pela graça que sois salvos, por meio da fé – e isto não vem de vós, é dom de Deus – não das obras, para que ninguém se glorie.” (Efésios 2:8,9)

 

Fontes:

1 – Pão diário: o livro das leituras devocionais diárias, nº 12. São Paulo, SP: Rádio Trans Mundial, 2008, 5 fev.

2 – SEMANDS, David A. O poder curador da graça. São Paulo, SP: Vida, 2003, p. 98.



Categoria: Mensagens Devocionais
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h04
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

O amigo, a casa e o quarto

O amigo, a casa e o quarto 

Certa vez conheci um amigo

Muito companheiro e legal.

Queria ir à minha casa comigo

Onde moro no bairro Ideal.

 

Eu não quis que ele entrasse.

Pedi para que na área ficasse.

 

Disse ele: “Tu quer que eu fique aqui fora?”

“Tu não sabe o calor que faz nessa hora!”

 

Ele era educado até bastante,

Mas falei: “Fique ai fora por um instante!”

 

Tocava a campainha com muito respeito,

E eu replicava: “Não entre, espere um momento!”

 

O tempo foi passando

E certa ocasião deixei o entrar.

No início foi um espanto

Quando o vi à bagunça vislumbrar.

 

“Não fique assim!” Ele falou.

“Quero ver se posso ajudar!”

E a desordem que ele olhou

Quando notei já estava a arrumar.

 

Com os anos confiança fui tendo

Ao na minha casa ele frequentar,

E assim fui eu percebendo

Que tinha um amigo de se admirar.

 

Porem certos quartos bem forte tranquei,

Aonde disse ele: “Ali eu ainda não entrei!”

 

Cheguei a lacrar, e com duro gesso

Naquilo que ele falava: “Aqui eu não conheço!”

 

“Por favor, aqui não entre!”

Disse eu a me explicar.

E tive um frio no ventre

Achando que ele ia lá entrar.

 

Mas ele falou: “Só vou se tu deixar!”

Então comecei a me acalmar.

No entanto, estava eu a meditar

Que um dia o quarto teria que arrumar.

 

Havia coisa suja, feia e ruim.

“Será que ele continuará sendo amigo de mim?”

 

Mas não adiantava só vir e limpar.

Pra ficar perfeito ele teria que para cá se mudar.

E se não fosse assim um dia a imundícia ia retornar.

Daí mesmo bem feio eu ia me danar.

 

Abrindo a porta mostrei a sujeira.

Imunda e cruel, uma nojeira.

 

Fiquei temendo ele me contestar,

Mas ele sorriu para mim e tomou o meu lugar

Naquilo que muitos anos eu estive a sujar.

Por fim só restava para mim aceitar.

 

Então vendo o acontecido chorei,

Pois meu amigo tinha um Espírito de um Rei.

 

E olhando via ele se sacrificar

Em algo que não era sua culpa limpar.

 

E gritei alto: “Mas eu não mereço!”

Respondeu ele: “Já paguei o preço!”

 

Finalmente com alegria o recebi

Sabendo que ele não iria se importar.

Então pro amigo as portas abri,

Ao na minha casa ele eternamente morar.



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h19
[] [envie esta mensagem
] []





ERROS DE PERCEPÇÃO QUE COMETEMOS AO JULGAR OS OUTROS

ERROS DE PERCEPÇÃO QUE COMETEMOS AO JULGAR OS OUTROS

 

 

Utilizamos vários atalhos quando julgamos os outros. Perceber e interpretar o que os outros fazem é penoso. Consequentemente, todos nós desenvolvemos técnicas para tornar a tarefa mais cômoda. Embora sejam valiosas – permitem-nos rapidamente percepções precisas e fornecem dados válidos para se fazer previsões -, essas técnicas não são infalíveis. Elas podem nos colocar em dificuldades e realmente o fazem. Uma compreensão desses atalhos pode ser útil para se identificar quando podem gerar distorções importantes.

 

 

Seletividade – processo de apenas selecionar uma parte do todo ao fazer observações.

 

Os indivíduos não podem assimilar tudo o que observam e, por isso, praticam a seletividade. Pegam partes e pedaços. Essas partes e pedaços não são escolhidos aleatoriamente, mas sim seletivamente, em função dos interesses, antecedentes, experiências e atitudes do observador. A percepção seletiva nos possibilita a “leitura dinâmica” dos outros, mas tem o risco de traçar um quadro impreciso.

 

 

Suposição de similaridade – processo de os observadores perceberem os outros como semelhantes a si próprios.

 

É fácil julgar os outros, se supormos que eles são semelhantes a nós. Na suposição de similaridades, ou no efeito “como eu”, a percepção sobre os outros é influenciada mais pelas características próprias ao observador que pelas características da pessoa observada. Se você deseja desafio e responsabilidade em seu cargo, por exemplo, irá supor que os outros desejam o mesmo. Pessoas que supõem que as outras sejam como elas, podem estar certas, naturalmente, mas na maioria das vezes estão enganadas.

 

 

Estereotipagem – processo de julgar uma pessoa com base na percepção que se tem do grupo ao qual ela pertence.

 

Quando julgamos alguém com base em nossa percepção de um grupo ao qual esse alguém pertence, estamos utilizando o atalho denominado estereotipagem. “Pessoas casadas são funcionários mais estáveis que pessoas solteiras” e “sindicalizados esperam alguma coisa em troca de nada” são exemplos de estereotipagem. Na medida em que um estereótipo estiver baseado em fatos, pode produzir julgamentos acurados. Porém, muitos estereótipos não têm nenhum fundamento na realidade, distorcendo os julgamentos.

 

 

Efeito Aura – processo de deduzir uma impressão geral sobre um indivíduo com base em uma única característica dele.

 

Quando formamos uma impressão geral sobre um indivíduo com base em uma característica isolada, como inteligência, aparência ou sociabilidade, estamos sendo influenciados pelo efeito aura. Esse efeito geralmente ocorre quando os estudantes avaliam o professor de seu curso. Os estudantes podem isolar um traço singular, como entusiasmo, por exemplo, e permitir que sua avaliação como um todo seja contaminada por sua percepção desse único traço. Um professor pode ser calmo, seguro, reconhecido e altamente qualificado, mas se o seu estilo carecer de entusiasmo, será avaliado como inferior em várias outras características.

 

FONTE: ROBBINS, Stephen P. Administração. Mudanças e perspectivas. São Paulo, SP: Saraiva, 2000, p. 322.

 

 



Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h07
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

NA DUVIDA NÃO ULTRAPASSE

 

NA DUVIDA NÃO ULTRAPASSE – 03/03/2011

 

Certo dia, tive que viajar com meus pais à cidade de nascimento de minha mãe, lugar onde havia certos problemas a serem resolvidos. Estava eu ao volante, e em um determinado momento da viagem, na estrada sinuosa de nossa linda serra gaucha, me deparei com um caminhão, em uma velocidade mais inferior, a minha frente. Como é complicado quando temos que ir mais devagar do que nossa velocidade normal, isto é em todos os sentidos da vida. Decididamente resolvi ultrapassa-ló, no entanto, o carro que estávamos não era dos mais potentes (1.0) e o motorista também não era dos melhores. A faixa tracejada havia chegado ao final e surgiu na pista contraria outro veículo. Me apertei ali, o outro veículo reduziu e foi um pouquinho para lá, o caminhão diminuiu a velocidade mais ainda e.... “Ufa!!! Graças a Deus! Esta foi por pouco” disse eu. Além de arriscar a minha vida estava comprometendo a vida de meus pais e dos demais envolvidos naquela situação.

Tempos mais tarde estava querendo, e muito, tomar uma decisão em minha vida, porem estava cheio de duvidas: “Será que vai ser bom para mim? Para vida de Cristo em mim? Para as pessoas a minha volta? Será que é o momento certo? Qual é a Tua vontade? Senhor, eu quero! Mas o que eu faço???”. Questionei bastante a Deus. Não queria ficar parado ou andando mais devagar que minha velocidade normal. Queria logo ultrapassar. Foi quando me lembrei daquelas placas educativas de orientação que vemos nas estradas, principalmente quando vamos ao litoral. Ela dizia: “Na duvida não ultrapasse”. Não era uma placa de proibição ou advertência como: “Proibido ultrapassar”. Mas era uma placa que indicava ter certo cuidado. Naquele dia quando ultrapassei o caminhão estava num local que havia a possibilidade dessa manobra, só que, em questões de segundos, quase houve um grave acidente. Nesta ultima decisão, que desejava concretizar, não avistava nenhuma placa de proibido ou uma faixa continua, o que seria comparado com o contrario de Deus em Sua Palavra. A visibilidade a minha frente era pouca e estava meio incerto a respeito da decisão a ser tomada. Faltava-me confiança e sobrava-me receio por não ter conhecimento da real vontade do Senhor com relação a determinado assunto. Não sei. Poderia me dar bem, escapar de um acidente e seguir viagem com êxito completo. Mas também poderia me dar mal, causar uma tragédia me prejudicando, prejudicando as pessoas relacionadas e, principalmente, prejudicando a Cristo em nossas vidas. Diante disso resolvi com paciência ir mais devagar e esperar uma visibilidade maior (um Ok do Senhor) para no momento certo com confiança e certeza ultrapassar e seguir viagem, se for da vontade de Deus, pois talvez seja de Seu desejo eu seguir por outro caminho em que o caminhão não estará mais a minha frente.

 

Se não temos clareza da vontade do Senhor é melhor esperar, se há esta possibilidade.

 

Vale mais a pena se atrasar e viver do que se apressar e morrer.

 

“Na duvida não ultrapasse”.

 



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 14h33
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

Exumando Corpos (Cadáveres)



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 20h08
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

Exumando Corpos (Cadáveres)

EXUMANDO CORPOS (CADÁVERES)

 

Geralmente é comum vermos esta prática de exumação de cadáver quando existe a necessidade de solucionar algum caso criminalístico que precise de mais clareza em suas respectivas investigações.

Em um determinado momento comecei a orar pela minha vida e, também, com relação a minha pessoa para com as outras da seguinte forma: “Pai! Se há necessidade exume os corpos...”. Quantas vezes enterramos algum corpo sem resolver uma questão por completo? Talvez isso até tenha sido feito inconscientemente. Vulgarmente isto se chama “tapear” (enganar(se), iludir(se)). A respeito disso, Jesus declarou com outras palavras: “Ninguém põe remendo de pano novo em vestido velho, pois semelhante remendo rompe o vestido, e faz-se maior a rotula. Nem se põe vinho novo em odres velhos. Do contrário, rompem-se os odres, entorna-se o vinho e os odres se estragam. Mas põe-se vinho novo em odres novos, e ambos se conservam” (Mateus 9:16,17). Quantas coisas ficaram pendentes em nossa vida e estão lá dentro apodrecendo? Existe um conhecido ditado popular que diz que “o tempo cura tudo”. No entanto, ao agirmos dessa maneira, nos tornamos, com o passar dos anos, semelhantes aos sepulcros caiados (bonitos e adornados, mas com um cadáver se deteriorando no interior). Com relação a isso, Jesus disse: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas por dentro estão cheios de ossos de mortos, e de toda imundícia. Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniquidade” (Mateus 23:27,28).

“Senhor! Exuma os corpos na minha vida no Teu tempo e na Tua maneira. Sei que o Senhor quer resolver este caso...”

No instante em que um cadáver é exumado (tarefa normalmente executada por peritos da área) a podridão, a decomposição e o mau cheiro se tornam evidentes aos que estão envolvidos na ação, porem somente dessa forma é possível suceder o desfecho de muitos casos criminais. Do mesmo modo, é necessário que isto ocorra em nossas vidas, que certas coisas venham para fora, mesmo que apareçam as sujeiras existentes no nosso interior.

“O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia” (Provérbios 28:13).

“Portanto, confessais os vossos pecados uns aos outros, e orais uns pelos outros, para serdes curados” (Tiago 5:16a).

É importante mencionar que não é qualquer individuo que auxilia na exumação dos corpos, como também não é qualquer um que realiza a necropsia trazendo luz e entendimento à investigação. Essas ações devem ser realizadas por peritos. Da mesma forma, ao reconhecermos e confessarmos nossas iniquidades aos outros, devemos fazer isto na companhia de irmãos de confiança que estão sob a tutela e a autoridade do Altíssimo. Nesse ínterim, a Bíblia descreve que “se um cego guiar outro cego, ambos cairão na cova” (Mateus 15:14b).

Na grande maioria das vezes é impactante exumar algum cadáver em nossa vida, contudo, após a parte ruim, surge a paz que excede todo entendimento (Filipenses 4:7). Esta paz esta acima de qualquer aparência, pois o sentimento de ter um caso resolvido sem nenhuma pendência é imensurável.

“Mostra Pai, se há corpos que devem ser exumados...”

“Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me e conhece os meus pensamentos. Vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno” (Salmo 139:23,24).

“Nada há encoberto que não haja de revelar-se, nem oculto que não haja de saber-se” (Mateus 10:26b). E isso é para o nosso próprio bem.

 

 

 



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h58
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]