Meu perfil
BRASIL, Sul, Homem



Arquivos

Categorias
Todas as mensagens
 Poemas e Mensagens do Autor
 Mensagens Devocionais

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Floresça Onde Está Plantado
 


 
 

O PINHÃO. QUANDO APARECERÁ O FRUTO?

 



Categoria: Mensagens Devocionais
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 20h04
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

O PINHÃO. QUANDO APARECERÁ O FRUTO?

O PINHÃO. QUANDO APARECERÁ O FRUTO?

 

“... a qual dá o seu fruto na estação própria...” (Salmo 1:3)

 

 

Em muitas ocasiões, com uma mentalidade ainda infantil, questionava (e ainda questiono) o Pai. Diversas vezes eu o perguntava: “Até quando Senhor? Quando o fruto aparecerá? Quando o que foi plantado será colhido? Por que as coisas não se resolvem logo?” Somos seres humanos. Apesar de termos consciência de que Deus tem e quer o melhor para cada um de nós no seu devido tempo, caímos em questionamentos porque esperamos que tudo ocorra dentro dos moldes que pré estabelecemos (no tempo que determinamos). Atualmente, em nossos dias, é mais difícil saber esperar. A vinte anos atrás, esperávamos meses e até anos para que um filme lançado nos Estados Unidos viesse a ser transmitido nas emissoras de nosso país. Hoje, em muitos domicílios de classe média é possível fazer um download de qualquer filme e em questão de minutos se vê o mesmo na tela do computador. Uma correspondência que levava semanas e até meses para chegar ao seu destino, hoje através de um e-mail é quase instantaneamente recebida. Tudo se tornou mais rápido e achamos que no âmbito espiritual deve igual.

Recentemente vi na televisão uma reportagem sobre frutos aonde os agricultores, mediante técnicas, estimulavam a planta a desenvolver o seu fruto em um tempo menor, e assim antecipavam a sua colheita. Diante disso, era possível ter duas safras ao ano. No entanto, o consumidor final desse fruto percebia que o mesmo não tinha o seu genuíno sabor e os seus nutrientes eram relativamente inferiores do que os dos frutos gerados da forma convencional. Ao ver isso, pensei comigo mesmo: “Não adianta eu forçar um fruto antes do tempo.” O seu sabor será percebido. “Não adianta mostrar um fruto falso como aqueles de plástico ou cera que ficam de enfeite nas prateleiras de cozinha.” Ser um cristão de aparência. “Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.” (Mateus 7:20)

Não é forçar um fruto, mas é gerar (naturalmente).

Não é pela minha força (obras pessoais), mas fruto de Tua graça em mim.

Cada um de nós tem sua peculiaridade, sua individualidade, seu crescimento e desenvolvimento. Cada um dará o seu fruto no seu tempo conforme a necessidade do Reino do Senhor aqui neste planeta. Imaginem um mundo só com laranjeiras? Ou só com limoeiros? Para mantermos a nossa integridade fisiológica precisamos de vários tipos de nutrientes que não são encontrados em apenas um fruto. Cada fruto tem a sua devida estação, e se analisarmos, isto foi feito para o bem estar do homem aqui na Terra. Algumas espécies de arvores se desenvolvem mais rapidamente. Outras têm um crescimento mais lento, mais isso não é porque a primeira é melhor que a segunda, cada uma tem sua característica individual.

Em muitos movimentos exige-se de um recém convertido um fruto que Deus ainda não esta esperando dele, e a plantinha recém germinada acaba se desanimando. Não existe um padrão especifico. Também não devemos ter pensamentos do tipo: “Ah! Ainda não é o tempo de Deus...” E ficar postergando algo que o Senhor já esta esperando de nós. “... árvores em plena estação dos frutos, destes desprovidas...” (Judas 1:12)

A alguns tempo atrás, visitei uma irmã minha que mora no interior. Seu marido me levou para a parte de traz do terreno deles e mostrou-me as arvores que havia lá. Bergamoteira era a que mais tinha, mas o que me chamou a atenção era um pinheiro que estava no terreno ao lado. Perguntei para o meu cunhado: “Este pinheiro ainda não deu pinhão?” Era maio, mês que nasce a pinha (uma bola redonda cheia de pinhões), fruto peculiar da Região Sul. Diante da pergunta que fiz, ele me respondeu: “Não! Este pinheiro ainda é muito novo. Ele precisa de pelo menos vinte anos para começar a dar pinhão.” O pinhão é um alimento muito conhecido dos gaúchos. Nasce no inicio do inverno e é muito calórico (cerca de 500 calorias para cada 100 gramas de pinhão). O pinhão acaba sendo ótimo recurso para o gaúcho enfrentar os dias frios, pois ele proporciona resistência e energia para o organismo. No entanto, o pinheiro precisa de um longo e exaustivo tempo para começar a gerar a pinha.

Toda arvore plantada demora algum tempo para começar a gerar o seu fruto. Não se desanime se as coisas são mais lentas. Talvez você seja um pinheiro e seu fruto abençoará muitos dando resistência e energia nos momentos mais difíceis daqueles que estão a sua volta.



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 21h16
[] [envie esta mensagem
] []





Pizzazinhas de Atum e Calabreza



Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h30
[] [envie esta mensagem
] []





Pizzazinhas de Atum e Calabreza



Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h30
[] [envie esta mensagem
] []





Pizzazinhas de Atum e Calabreza



Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h29
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

Você é uma flor no jardim de Cristo.

 

VOCÊ É UMA FLOR NO JARDIM DE CRISTO

 

A todos meus amigos que têm o agradável aroma do Senhor Jesus.

“Pois para Deus somos o bom cheiro de Cristo, tanto nos que se salvam, como nos que se perdem” (2 Coríntios 2:15).

E se há alguém que acha que esta com um cheiro um pouco estranho, como eu também senti em mim muitas vezes, digo que em Deus podemos tomar um bom banho e ficarmos perfumados e bem cheirosos novamente, pois Cristo se entregou “para nos santificar, purificando-nos com a lavagem da água, pela palavra” (Efésios 5:26).

 

Seja o bom perfume de Cristo neste mundo poluído...

 



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 20h00
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

Cuca de prestigio

 



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 20h55
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

... para que TODO aquele que nele crê...

 

... para que TODO aquele que nele crê...

 

Em nossa fraqueza de seres humanos, tendemos a criar graduações de pecados. Esse aqui é um pecado pequeno, em nossa escala de valores; mas aquele lá é um pecado muito grande. Daí, pensarmos que Deus pode perdoar o pecado pequeno, mas nunca poderá perdoar e aceitar um terrível pecador. Lembro-me de um episódio da Segunda Grande Guerra que ilustra bem esta idéia. Hitler e seu Terceiro “Reich” tinham sido derrotados pelos aliados. Muitos dos antigos líderes nazistas, que haviam praticado alguns dos mais infames crimes conhecidos pela humanidade, foram levados a julgamento em Nurembergue. O mundo todo voltou sua atenção para lá, enquanto as sentenças de morte ou prisão eram passadas contra aqueles criminosos de guerra.

Contudo, em meio aos julgamentos de Nurembergue, divulgou-se a seguinte história, relatada pelo Capelão Henry Gerecke. Ele fora chamado para dar assistência espiritual ao alto comando nazista. Ele se considerava um simples pregador, criado numa fazenda do interior, mas foi-lhe confiada esta tarefa extremamente difícil.

O capelão narrou a sincera conversão à fé em Jesus Cristo de alguns daqueles homens que haviam cometido crimes desprezíveis. Um deles fora anteriormente um dos generais mais chegados a Hitler. A princípio, o capelão adotou uma atitude cautelosa em relação às confissões de fé dos presos. Disse que a primeira vez que viu aquele general lendo a Bíblia pensou: “Fingimento.” Porém à medida que passava mais tempo com ele, veio a reconhecer a verdade, e escreveu: “Quanto mais eu o ouvia, mais sentia que era possível que estivesse sendo sincero. Ele admitira que não fora bom cristão, e fazia questão de afirmar que se sentia muito feliz de que a própria nação que talvez o condenasse à morte, se preocupasse com seu destino eterno, a ponto de fornecer-lhe orientação espiritual”. E com a Bíblia na mão, ele dizia: “Sei por este livro, que Deus pode salvar um pecador como eu”.

Que amor admirável Deus nos revelou na cruz!1

 

Louvado seja Deus nosso Salvador, “o qual deseja que TODOS os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade” (1ª Timóteo 2:4). “Ele é longânimo para convosco, não querendo que ninguém se perca, senão que TODOS venham a arrepender-se” (2ª Pedro 3:9b).

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que TODO aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16).

Deus sabia da impossibilidade do homem se salvar a si mesmo, isto é, pelo seu mérito próprio. Por isso, Ele enviou seu único Filho para morrer pela humanidade. “Pois é pela graça que sois salvos, por meio da fé – e isto não vem de vós, é dom de Deus – não das obras, para que ninguém se glorie” (Efésios 2:8,9).

A salvação esta aberta para TODO homem, desde o mais desprezível até o “politicamente correto”. TODOS por si mesmos estão pedidos, mas em Deus TODOS podem se salvar. Basta reconhecer esta necessidade e aceitar o precioso sacrifício do Senhor Jesus na cruz...

 

Fonte: 1 - GRAHAM, Billy. Como nascer de novo. Belo Horizonte, MG: Betânia, 1979, pp. 115-116.

 

 



Categoria: Mensagens Devocionais
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 20h47
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

Jesus levou o nosso pior na Cruz...

Jesus levou o nosso pior na Cruz...

 

Pois é o seu verdadeiro eu que Deus ama e por quem Cristo morreu, o seu eu verdadeiro com todos os seus pecados e falhas, que ele sempre conheceu e que jamais deixou de amar. Sentir isso a nível instintivo lhe dará a coragem necessária para ver a si mesmo como verdadeiramente é. Como ilustração, eu gostaria de contar uma notável história verídica que aconteceu durante a Segunda Guerra Mundial:

Havia um homem de nome Stypulkowski, que lutou na resistência subterrânea polonesa de 1939 a 1944. Infelizmente, quando a guerra terminou, ele estava no lugar errado e na hora errada, e foi capturado pelo exército russo. Ele e mais quinze poloneses foram levados à Rússia para serem julgados perante o tribunal de crimes de guerra. Uma vez que alguns observadores ocidentais assistiam aos julgamentos, era necessário confissão completa dos homens a fim de serem condenados por sua suposta traição ao estado. Na verdade, com as suas táticas, tinham ajudado a derrotar o inimigo. Agora estavam sendo acusados de terem ajudado os nazistas.

Antes do julgamento, os homens foram submetidos a rigoroso interrogatório para quebrantá-los mentas, emocional e espiritualmente, para destruir a sua integridade de modo que confessassem qualquer coisa que lhes fosse pedida. Quinze dos dezesseis homens sucumbiram à exaustiva pressão. Somente Stypulkowski não sucumbiu. E isso apesar do fato de que durante 69 das 70 noites ele foi brutalmente questionado numa série de 141 interrogatórios. Ele não somente os suportou, mas também em certo momento o seu interrogador se quebrantou e teve de ser substituído. Vezes sem conta os seus atormentadores implacáveis examinaram tudo o que ele fizera ou não fizera, procurando temor e culpa. O seu trabalho, o seu casamento, a família, os filhos, a sua vida sexual, a sua vida na comunidade e na igreja, até mesmo o seu conceito de Deus.

Isto depois de semanas de uma dieta de fome, noites sem sono e calculado terror. Mais pérfido de tudo foram as confissões assinadas de seus melhores amigos, todas elas o acusando. Seus torturadores lhe disseram que o seu caso não tinha esperança, e já estava praticamente encerrado. Eles o aconselharam a admitir a culpa, para que pudessem diminuir a sua sentença; de outra forma, seria morte certa.

Stypulkowski se recusou. Disse que não tinha sido um traidor e não poderia confessar algo que não fosse verdade. Pleiteou inocência durante o julgamento; em grande parte por causa dos observadores estrangeiros presentes, foi solto. O mais impressionante foi o modo completamente natural e espontâneo com que ele testemunhou da sua fé cristã. Ele manteve a fé viva através da oração constante, e todas as outras lealdades foram subordinadas à sua lealdade a Cristo.

É claro que ele possuía fraquezas. Os seus acusadores vez após vez destacavam essas fraquezas diante dele, mas ele não se deixou abalar por causa delas. A razão da sua resistência é que diariamente ele se apresentava a Deus e a seus acusadores em honestidade absoluta. Ele sabia ser aceito, amado de Deus, perdoado e purificado. Portanto, sempre que o acusavam de algum erro pessoal, ele o admitia livremente, até com alegria. E repetia humildemente: “Nunca senti ser necessário justificar a mim mesmo com desculpas. Quando me mostraram que eu era covarde, eu já sabia disso. Quando apontaram o dedo para mim com acusações de sentimentos imundos e indecentes, eu já sabia daquilo. Quando me mostraram um reflexo de mim mesmo com todas as minhas deficiências, eu lhes disse: ‘Mas cavalheiros, eu sou ainda muito pior do que isso.’ Pois, percebe você, eu tinha aprendido que não era necessário justificar-me a mim mesmo. Alguém já tinha feito isso por mim: Jesus Cristo!”

Visto que Stypulkowski podia ser totalmente honesto acerca de si mesmo perante Deus, foi capaz de ser totalmente honesto acerca de si mesmo perante os seus acusadores. Ele podia admitir livremente as usas falhas pessoais, pois sabia que na cruz todas elas tinham sido resolvidas.

Assim também acontece com todos nós. Quando percebemos que ao sermos “justificados mediante a fé, temos paz com Deus, por meio de nosso Senhor Jesus Cristo; por intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé e esta graça na qual estamos firmes” (Romanos 5:1), encontraremos a coragem para encarar a verdade acerca de nossas necessidades, e para experimentar a graça que cura.

 

Fonte: SEAMANDS, David A. O poder curador da graça. São Paulo, SP: Vida, 2003, pp. 106-108.

 



Categoria: Mensagens Devocionais
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 21h07
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

Neblina

NEBLINA

 

Fui dirigindo para Nova Petrópolis na tarde da terça-feira 24/05/2011. Nunca tinha visto tanta neblina em toda a minha vida. Pena que não levei junto minha câmera digital para registrar este magnífico fenômeno da natureza. Acredito que em certos momentos só se visualizava até uns 30 metros à frente e na hora de dirigir tive que me orientar pelas listras de sinalização pintadas no asfalto da rodovia. Somente era possível ver certas coisas quando se chegava perto das mesmas, isto é, elas surgiam de repente, mesmo andando a 50 Km/h em trechos que o limite era de 80 Km/h. Praticamente se via apenas os veículos que estivessem com o farol aceso e, devido a isso, não se podia nem pensar em arriscar alguma ultrapassagem, ao menos que alguém tivesse o desejo de que algum familiar retirasse o seguro DPVAT (brincadeira foi mal).

Relacionado a esse acontecimento, me lembrei de um devocional que gostaria de compartilhar, não que eu viva o que esta descrito, mas eu tenho como desejo viver:

 

“Quando passares pelas águas, eu serei contigo...” (Is 43.2.)

 

Deus não abre de antemão o caminho à nossa frente, mas somente à medida que vamos dando cada passo. Ele não promete enviar ajuda antes de ser necessário. Ele não retira os obstáculos do caminho antes de chegarmos a eles. Mas quando chegamos ao extremo da nossa necessidade, ali está a mão de Deus, estendida. Muitos se esquecem disto e estão sempre ansiosos por causa das dificuldades que prevêem para o futuro. Esperam que Deus esteja aplanando e abrindo o caminho, quilômetros à sua frente, quando ele prometeu fazê-lo passo a passo, segundo a necessidade. Precisamos antes chegar às águas e entrar em sua correnteza para então clamar pela promessa. Muitos temem a hora da morte e queixam-se de não terem “graça para morrer”. É claro; não têm graça para morrer, enquanto estão com saúde, no meio dos afazeres diários, com a morte ainda à distância. Por que teriam a graça agora? É de graça para os afazeres, que precisam no momento – graça para viver. De graça para morrer precisarão quando chegar a hora da morte. – J. R. M.

 

Fonte: COWMAN, Lettie. Mananciais no deserto. Belo Horizonte, MG: Betânia, 1999, p. 13.

 



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 21h01
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

Cuca



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 18h46
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

O Pão

 

Nos últimos dias que se passaram aproveitei para aprender algumas técnicas domesticas. Como estou mais por casa e por minha mãe ter comprado uma panificadora, resolvi fazer alguns pães (segue abaixo uma foto de um pão colonial de 750g opção no menu - europeu). Percebi dessa forma (assim como em nossa vida), que há um momento em que temos que parar de meter a mão na massa e deixar a mesma descansar, pois assim o fermento agira e a massa irá crescer (os hormônios do crescimento agem em nós quando dormimos, descansamos). Muitas vezes queremos que as coisas da vida (das mais diversas) aconteçam logo, e nunca deixamos de meter a mão na massa. Talvez seja o momento dela descansar (entregar para Deus). “É Deus que dá o crescimento.” (1º Cor 3:7b). Às vezes não queremos deixar de meter a mão na massa (nossos esforços pessoais) e estragamos o pão.

Por fim acho que já da para mim ca..... (opa! Deleta <<) .....trabalhar numa padaria.

 



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 18h43
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

Poema Mr. Deeds

 

"Difícil respirar, sinto-me subindo
Tão cheio de amor, o coração explodindo
Boca seca, mãos tremendo
O meu coração a você estou cedendo
Agindo estranho, não sou mais eu
Danço por aí como um elfo plebeu
Finalmente chegou a hora desse bobão
Sentir o que é amor de verdade no coração!"

 



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h21
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

Explicação do poema O Bolo

Explicação do poema O Bolo

 

 

- Eu sou eu, ou qualquer pessoa que se identifique na poesia.

- O bolo são os projetos, sonhos e vontades da vida sejam nossos ou de Deus para nós.

- A mãe é Deus através do Espírito Santo.

 

Desejamos como qualquer individuo realizar nossos projetos, sonhos e vontades, no entanto, na maioria das vezes queremos fazê-los do nosso jeito, sem depender do Espírito Santo. Acreditamos que estamos certos e até cremos que é a vontade de Deus para nós (Nós fazendo o bolo).

Deus, que sempre quer o melhor para nós, procura nos cutucar através do Espírito Santo para que não venhamos fazer algo que prejudique à nós mesmos ou às pessoas a nossa volta (A mãe querendo ajudar).

Em muitas ocasiões temos vontades e intenções boas (que até são de Deus), mas exigimos que nossos sonhos se concretizem logo, o mais rápido possível e, sem saber, antes do tempo de Deus. Entretanto, no fim das contas, sentimos o sabor amargo do resultado de nossos esforços pessoais fora daquilo que Deus espera de nós (O bolo feito às pressas).

Por outro lado, dizemos: “é Deus que faz a obra. Eu vou ‘esperar’ nEle...” Diante disso, relaxamos deixando de executar  a nossa parte, naquilo que Deus já nos capacitou e espera de nós, que é cooperar com a vontade dEle (O bolo que assa de mais).

Por fim, percebe-se o nosso dever de permitir que o Espírito Santo esteja sempre ao nosso lado nos orientando e mostrando o que fazer seja no tempo e na maneira certa.

 

 

É Deus que nos dá vida para realizar aquilo que Ele tem para nós.

Vou procurar cooperar com Deus para não atrapalhar no bolo que Ele tem para mim.



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h15
[] [envie esta mensagem
] []





 
 

O Bolo

 

O BOLO

 

 

Decidi um dia o bolo fazer,

Mesmo a receita eu pouco entender.

 

Enfim, comecei motivado

Sem ver, que nem um apaixonado.

Estava muito entusiasmado,

E isso era mau por um lado.

 

Minha mãe ofereceu acompanhamento,

E eu recusei no mesmo momento.

 

Me via “feliz” e determinado,

Mas também cego e atordoado.

 

Meti a mão na massa.

Liguei o forno e disse: “Assa!”

 

Minha mãe queria me ajudar,

E eu sempre estava a rejeitar.

 

“Meu filho espere um pouco!”

“Não quero!” Disse eu que nem um louco.

 

No fim achei que tinha terminado,

Mas o bolo saiu todo estragado.

 

Finalmente o trabalho findou,

Como também meu sonho acabou.

 

O bolo que o havia planejado

Ficou feio e mal acabado.

 

Fiz mais bolos.

Alguns tentei apressar.

Aparência bonita

Mas cru e ruim ao paladar.

 

Outros, mais tempo assei,

Mas olhando no fim vi que queimei.

 

Pedi ajuda para minha mãe.

Ela veio a me orientar.

Como eu era seu filho

Decidi então escutar.

 

Um bolo bonito saiu

E finalmente a ficha caiu.

 

A mãe que tinha intenção de auxiliar.

Achava eu que ela só ia atrapalhar.

 

Concluindo disse assim,

Agora sabendo que é o melhor pra mim:

 

Nos bolos da vida que iria fazer

Decidi daqui pra frente d’ela depender.


 



Categoria: Poemas e Mensagens do Autor
Escrito por Floresça Onde Está Plantado às 19h14
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]